domingo, 11 de janeiro de 2009

Efeitos da maconha à saúde- Wikipédia

Efeitos Fisiológicos Típicos


Positivos

Alguns efeitos podem incluir percepção alterada da realidade, euforia leve, sensação de bem-estar, relaxamento e redução de estresse, letargia, aumento na percepção do humor, música ou arte, jovialidade, metacognição e introspecção, aumento da lembrança de memória episódica, aumento da sensualidade, aumento da percepção sensorial tátil, aumento da libido.

Como uso medicinal, incluem-se a redução da pressão intraocular, aumento de apetite e efeito antiemético, tratamento da esclerose amiotrófica e trauma raquimedular, bem como qualquer enfermidade onde haja uma dor crônica.

Negativos

Falhas na memória recente, taquicardia, xerostomia, paranóia, agitação, falta de coordenação motora e câncer do aparelho respiratório, dependência psicológica, crises psicóticas em indivíduos propensos, bronquite e tosse. Existem divergências quanto ao câncer, que (acredita-se,) é causado pelo invólucro, chamado genéricamente de seda.

Variantes

A maconha contém além do THC, vários outros canabinóides [1][2], entre eles CBD - Cannabidiol e CBN - Cannabinol, com efeitos particulares a cada um; porém, há diferenças de concentrações de acordo com a variedade e manejo, de forma que não se pode generalizar os efeitos da maconha, que pode ser um "coquetel de drogas" totalmente diferente em cada amostra. De acordo com a variedade, pode-se sentir os efeitos predominantemente no corpo (relaxamento muscular, lassidão, sonolência, sem afetações maiores dos pensamentos - na gíria em inglês "stoned" - de pedra, algo como um efeito de estar pesado), típico das variedades Cannabis indica, ou a nível mental (melhora do humor, otimismo, estímulo da criatividade, melhora da sociabilidade, euforia - chamado na gíria em inglês de "high" - alto), típicos de variedades Cannabis sativa. Existem híbridos (cruzamentos) entre as duas variedades, que combinam propriedades das duas, em proporções variáveis, resultando em efeitos sentidos no corpo e mente.

Ação da Cannabis sativa/indica no Sistema nervoso central:

Memória

Sob o efeito da droga, é afetada a memória de curto prazo, isto é, a memória de pequena duração da qual precisamos num determinado instante e da qual nos desfazemos em seguida. Este distúrbio acaba quando o efeito da droga passa. Entretanto, efeitos de longo prazo (fumando-se mais de 35 cigarros de maconha por semana ou mais de 15 por dia) podem ser a perda da memória instantânea. Foram verificados efeitos neuroprotetores contra excitotoxidade dessa forma é benéfico na prevenção de doenças degenerativas como o Mal de Alzheimer.

Um relatório de 1998 do CNRS, dirigido pelo Dr. Pierre-Bernard Roques, determinou que "antigos resultados sugerindo mudanças anatomicas no cérebro de usuários crônicos, medidos por tomografia não foram confirmados por técnicas modernas de neuroimagem como a Ressonância Magnética Nuclear... em adendo, alterações morfológicas do hipocampo de ratos após a administração de doses altas de THC não foram demonstradas." Ele concluiu que a maconha não tem nenhuma neurotoxicidade como definida no relatório, diferente do álcool e cocaína.

Contradizendo esse relatório, um artigo de 1998 do Journal of Neuroscience afirma ser o THC tóxico para os neurônios do hipocampo.

Fonte: wikipedia

1 comentários:

quel disse...

adorei essa materia...a maconha previne doenças como o mal de alzheimer!!! ^^

14 de janeiro de 2009 15:51

Postar um comentário